Pesquisar este blog

22.7.04

Impressões sobre Dogville

 
Li em tudo quanto era canto, todo mundo já tinha dito que era maravilhoso, mas só ontem consegui assistir a Dogville. E achei muito mais interessante e instigante do que qualquer coisa que eu tivesse lidou ou ouvido a respeito do filme de Lars von Trier.

Sim, o cenário, ou melhor, a falta dele é provocante e talvez esconda uma metáfora quanto a promiscuidade e falta de privacidade da vida em pequenas cidades. E tem câmera na mão, o que pode ser enervante. E mais uma série de outras coisas que podem ser comentadas sobre técnicas de cinema. O problema é que eu adoro cinema, mas não sou profissional da área. Sou daquele tipo de pessoa que, na verdade, se envolve realmente com a história e só depois que o filme acaba, se houver algo realmente marcante, como nesse caso, o não-cenário, é que me dou conta. Gosto de histórias.

E esse filme, parece, é sobre arrogância, muito mais do que sobre manipulação. Só que não a arrogância que surge imediatamente em nossas cabeças quando pensamos na palavra, mas outra, bem mais sutil e talvez destrutiva.

(Se você ainda não viu o filme, pare aqui e vá até a locadora para alugá-lo. Caso contrário, prossiga a leitura e, por favor, comente.)
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Durante o filme uma pergunta que me ocorreu era por que ela se sujeita a isso. O que a esperava além das montanhas ou em Georgetown poderia ser assim tão pior? Depois que o filme acabou a resposta veio bem nítida.

Outro dia ouvi num programa de televisão que é fácil viver na permissividade e no desregramento. Tão fácil quanto viver na negação total: não fumo, não bebo, não jogo, não trepo, não saio à noite, não ouço música alta, não vou a festas, não, não, não... Bem mais complexo é encontrar o tão falado caminho do meio. Da mesma forma é muito simples ser "boazinha" quando se é oprimida. Difícil é continuar sendo boa quando se tem poder. E isso a gente vai descobrindo no decorrer da fita. À medida que os ninguéns moradores da cidade - a princípio gente apenas miserável e desconfiada, mas muito boa - vão vendo o poder que têm sobre Grace, sua crueldade e ausência de consciência moral vai aumentando.

A Grace de Nicole Kidman, com sua passividade e aceitação irrestrita das maldades, traições e punições a ela impostas, na verdade exerce, ao contrário do que pode parecer num primeiro olhar, a arrogância compassiva explicada magistralmente pelo personagem de James Caan.
Não era o temor de que se tratasse de uma criminosa que fustigava o sadismo da população. As mulheres sentiam-se ameaçadas por sua beleza. Os perdedores sentiam-se ofendidos e desrespeitados por seu jeito nobre. O cego humilhado por sua capacidade de enxergar. E ela deixava-se consumir dócilmente, às vezes até sob débil protesto, talvez também como uma forma de punição, porque expunha a eles suas próprias fraquezas e deficiências. "Você pode me ter agora como qualquer um deles. E será (tão vil) como eles." Desta forma, quanto maior o castigo aplicado a ela, mais seriam eles mesmos condenados à visão de sua própria iniquidade. Contudo não era suficiente que se soubessem culpados. Não era complicado para aquela laia encontrar desculpas para seus próprios desvios. Foi o fato de ela apontar publicamente os pecados de cada um que os fez desejá-la longe, de uma vez por todas.

O que esperava Grace além das montanhas ou em Georgetown poderia ser assim tão pior que a matilha de almas corrompidas de Dogville? Os gângsters? A polícia? Sim, o que a esperava fora de Dogville era bem pior: era ela mesma.

"O poder corrompe, o poder absoluto corrompe absolutamente."

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget