Pesquisar este blog

28.10.04

Entre os meus hábitos, não incluo o de ler matérias e entrevistas com “famosos quem?”, cujos feitos e relevâncias nacionais e internacionais incluem “exatamente o quê?”. A revista Veja anda especializando-se neste tipo de coisa, destacadamente nas suas páginas amarelas. Aliás, para ser fiel à verdade, devo revelar que gosto cada vez menos daquele periódico e é cada vez menor o número de artigos que decido ler ali.

Foi assim que passei por cima da entrevista da tal Mônica Dallari. Pensei que se tratava apenas das cobras e lagartos proferidos por uma mulher que se sente extremamente ameaçada pela ex-esposa mãe dos filhos do namorado. Então veio a avalanche de comentários de todas as partes, de rodas de amigos a colunas dos jornais. Diziam que as declarações da morena poderiam abalar ainda mais a candidatura de Marta Suplicy a novo mandato na Prefeitura de São Paulo.

Depois que Maluf foi protagonista de mais um de seus escândalos assim que decidiu associar seu nome ao de Mme. Favre (e ela topou!) e que o chefe da campanha pela re-eleição foi preso numa rinha de galos, era só o que faltava. Resolvi romper com minha birra e sentei com a revista sobre os joelhos para conferir o que havia de tão bombástico ali.

Sinceramente, não vi nada de mais. Era precisamente o que eu tinha imaginado. O povo gosta mesmo de uma fofoca. Uma boa baixaria, um barraco, uma lavação pública de roupa suja é a glória pra muita gente. O pior é que esse tipo de coisa infelizmente pode chegar a grandes proporções e mudar a história. Não creio que essa dona Ih-esqueci-o-nome-dela vá de fato abalar. Tem terra muito mais pesada para enterrar as aspirações de Marta que, se perder a disputa, vai ser embaixadora do Brasil em Paris. Não acho que seja exatamente uma situação que mereça ser chamada de penosa. Mas conseguir dar sua contribuição de alguma forma, por menor que seja, pra empurrar uma ex poderosíssima para fora país, bem longe do seu pretendido, pode ser o episódio mais importante da vida daquela lá. Minha opinião sobre o conteúdo da entrevista: despeito muitíssimo mal disfarçado, aquele tipo de assunto que não deveria sair das páginas da revista Contigo.

Outro dia li na coluna do Roberto Pompeu de Toledo – e talvez ele seja um dos últimos motivos para eu não cancelar definitivamente minha assinatura da Veja – que há uma nova versão sobre a morte de Getúlio Vargas que indica que tudo começou com uma questão de alcova. Já é tido como mais ou menos certo o enredo que diz que a nora de Getúlio expulsa do país não era propriamente uma espiã alemã, como se conta na história oficial. Ela, que ainda está viva e é pintora em Nova York, teria sido pega na cama com outra mulher. Como era mais digerível a primeira opção que a segunda, lá está ela nos livros como nazista. Lacerda teria descoberto tudo e estava perigando publicar toda a verdade. Daí o corno teria encomendado o crime da Rua Tonelero, então blábláblá, até o suicídio de Vargas.

E antes que alguém venha com uma aquelas frases que eu detesto, como “só no Brasil” ou “brasileiro é assim mesmo”, tenho algumas palavrinhas a dizer: Clinton e Lady Di.

Pelo menos aprendi minha lição. Quando meu instinto me disser que não vale a pena perder meu tempo lendo alguma coisa, devo ouvi-lo.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget