Pesquisar este blog

28.6.06

É tão fácil a gente se doer e falar quando nos machucam e muitas vezes não nos damos conta que qualquer deslize pode nos fazer repetir os comportamentos, se não estivermos alertas.

É que dentro de cada um de nós, existem aquelas coisas que eu chamo de monstrinhos, que crescem se a gente alimenta e fogem da jaula, se a gente não vigia. Há o monstrinho invejoso, o monstrinho "farinha pouca, meu pirão primeiro", o monstrinho assassino, o monstrinho mãe castradora, o monstrinho chefe tirano, o monstrinho sogra de anedota, o monstrinho coitadinho/vítima, o monstrinho preconceituoso...

Evidentemente, alguns desses monstrinhos funcionam como nossos aliados para a sobrevivência na selva. Mas, acredite, é mais fácil procurar uma selva mais tranqüila do que tentar recapturar esses titãs depois de soltá-los por aí.

A única forma de domar essas criaturinhas travessas para que elas não escapem pelas frestas dos nossos pensamentos, nossos atos e nossas palavras é com uma sólida formação de caráter e/ou auto-conhecimento somado à determinação firme de ser cada dia um pouquinho melhor.

Então o que tento fazer é manter meus monstrinhos devidamente identificados, adestrados e encarcerados bem longe do sol.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget