Pesquisar este blog

23.5.05

MULHER MARAVILHA

Tenho um conhecido cujo gosto é uma espécie de parâmetro para mim. Se ele viu um filme e gostou, não devo nem passar na porta, porque vou detestar certamente. Nossos gostos são absolutamente opostos. Nem por isso desgosto do sujeito. Ele é divertido e, até onde sei, é bom caráter. O que não suporto é gente mal-humorada e de ética frouxa.

Amigos não se fazem apenas com afinidades. Às vezes, basta a admiração e o respeito. Isto é o alicerce de qualquer relacionamento humano. Coisa mais triste quando começamos a perder a admiração por alguém a quem queremos bem. Promessas e prazos amiudadamente descumpridos, escorregões morais, não estar ali quando você precisa ao mesmo tempo em que assume que sua paciência e disponibilidade são infinitas...

É certo que não escolhemos aqueles de quem gostamos. Gostamos simplesmente, sem muita racionalidade. Entretanto, acho difícil continuar apreciando a companhia de quem vive querendo te aplicar uma rasteira ou, no mínimo, subestimando sua inteligência.

Sou só eu ou todo mundo fica exaurido na proximidade de gente acomodada, inerte, que vive varrendo problemas para debaixo do tapete? É só a minha beleza que se cansa com quem vive repetindo que você precisa entender o que ele está passando e nunca, jamais se importa em ver como as coisas estão do seu lado, a barra que você está tendo que segurar para que ele tenha o tempo de que precisa para dar um jeito na própria vida? E nunca dá jeito nenhum, não se mexe, nem se coça. E você lá segurando o mundo nas suas costas.

Você conhece o tipo, né? Chega chorando a maior miséria e você se vira pelo avesso e tira o que tem no bolso para ajudar, afinal a situação dele é periclitante. Dali a uma semana, você está refazendo suas contas para acochambrar o rombo no orçamento, decidindo entre pagar a mensalidade da academia de ginástica que você precisa freqüentar por recomendação médica ou a diarista que faz o trabalho doméstico enquanto você tenta salvar algum. É quando o elemento vem te contar do sofisticado aparelho de som de última geração absolutamente supérfluo que ele está planejando comprar. Você sente vontade de se atirar pela janela, certo? Pois você deveria fazer isso mesmo para deixar de ser idiota.

Para gente sem simancol não há o que resolva, nem conversa, nem ranger de dentes, nem choro, nem grito, nem greve, nem ficar de mal... São tão egoístas que só conseguem ver o próprio problema, jamais a solidão e o desespero alheio. O melhor que se faz é a gente ir cuidar da própria vida e deixar que cada um segure suas próprias barras, carregue sua própria cruz. Porque tudo já é muito complicado. Levar o carma dos outros é só para super-heróis.

E por mais que eu adorasse ser, não sou a Mulher Maravilha.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget