Pesquisar este blog

12.11.04

Do Bem e do Mal


Acho que ando vendo muito o programa Saia Justa. Mas sempre acho alguma coisa sobre o que pensar, mesmo no meio do papo que alguns consideram caótico e superficial. Bom, talvez também eu seja caótica e superficial.

O fato é que as meninas do GNT comentavam sobre a nem tão nova mania de dizer que Fulano(a) é do bem e Beltrano(a) é do mal. Elas falavam que as coisas não são assim tão simples. Concordo, claro. Todo ser humano é cheio de nuances e ninguém é totalmente bom ou totalmente mau o tempo todo. Imagino que George W. Bush, Paulo Maluf, Fernando Collor de Mello, Osama Bin Laden, Ariel Sharon e Saddam Hussein já devam ter feito algo de bom em suas vidas. Eu não ter tomado conhecimento de exatamente o quê é problema da minha ignorância, não deles.

E, deixando de lado tantos os grandes criminosos quanto Madre Tereza, Dalai Lama e Gandhi, continuei até chegar naquelas pessoas que fazem parte do nosso círculo mais próximo. Temos, muitas vezes, por perto aquelas criaturas capazes de cometer pequenas maldades, agem com certa vilania e ainda assim, continuamos a nos relacionar com elas. Têm certamente aspectos positivos que nos agradam e atraem. Entretanto me detive pensando em outros três tipos específicos.

O primeiro é aquele modelo de gente que tem o astral pesadíssimo, parecendo ter sempre uma nuvenzinha preta sobre a cabeça. Imagino que, como os portadores de mau-hálito, os pobres desconhecem a pestilência que espalham. Você até se esforça pra ficar por perto, afinal, a figura não é má. Você oferece uma balinha de hortelã psicológica, um chiclete de menta espiritual, mas não adianta. O problema vem do âmago. Não, não estou falando mais do estômago. São como aquele homem que trabalhou na roça e, muito tempo depois de deixar a enxada de lado, anda encurvado, porque a espinha se dobrou.

Muitas dessas pessoas foram tocadas e se deixaram aprisionar pelo mal. E por mal entendo tudo aquilo que desvia o ser humano do caminho da harmonia. Todos nós, creio, em algum ponto da vida sofremos um baque, uma decepção, uma traição, uma dor, uma perda... Talvez o peso que a aura dessas pessoas carregue seja o dos fardos que elas não quiseram ou não puderam permitir que fossem levadas pela nau do tempo. E, quando o barco passou, como estavam já tão sobrecarregadas, não puderam receber a encomenda de alívio e redenção.

Quem consegue despejar ao menos parte de seu volume na tal embarcação, nem sempre consegue livrar-se das marcas dos lanhos. São aqueles a que chamo de sobreviventes. Encolheram-se quando o mal veio para fugir de seu abraço e de sua bocarra devoradora, mas farejaram seu cheiro, ouviram seu urro... Sabem que o mal existe, contudo tentam levar a vida da melhor forma, procurando pelo melhor dela. Vez ou outra, porém, deixam escapar um travo de cinismo, ceticismo, ironia ou humor cáustico. É a cicatriz.

Sem vestígio de danificação, todavia, são aqueles que pensei como os puros. Todo mundo tem – ou deveria ter para aprender a relativizar algumas coisas – aquela amiga que sofreu com os apelidos que os meninos da rua davam ao seu pai alcoólatra, teve que ajudar, desde cedo, a mãe a cuidar dos irmãos menores abrindo mão da infância, adolescência e muitos sonhos e, apesar de todas as probabilidades em contrário, chega à vida adulta feliz e serena. Essa gente tem sempre um sorriso no rosto e uma vontade incansável de ajudar. Parece que o mal tangencia suas vidas. Talvez isso aconteça porque eles não lhe dão muita trela, seguindo adiante, ocupadas com tanto bem a fazer. Quem sabe não se dêem conta da gravidade de algumas coisas. Não importa. O que interessa é que, atingidas pelas tormentas mais difíceis, mantêm aquele semblante que transpira as sábias palavras: tudo passa.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget