Pesquisar este blog

20.10.05

Os nazistas e as armas
Autor: Marcos Rolim
Fonte: ZH, 04/09/05

Há uma mensagem anônima na Internet na qual se sustenta a tese de que o desarmamento conduz à tirania. Nenhuma referência é apresentada, mas o leitor de boa-fé pode ficar impressionado. A mensagem afirma que Hitler, Stalin, Pol Pot e muitos outros facínoras "começaram por desarmar suas vítimas". Bem, espero, sinceramente, que este tipo de material não seja aquilo que os defensores das armas irão nos oferecer na campanha que está chegando. O exemplo de Hitler é bem interessante para desmascarar esta farsa.

Em 11 de novembro de 1938, um dia após o massacre da "Noite dos Cristais", Hitler editou uma legislação proibindo que judeus alemães comprassem armas e determinando o confisco das que eles tivessem em toda a Alemanha. Este é o fato verdadeiro. O que o e-mail não conta é que esta lei surgiu dentro de uma política amplamente favorável ao uso de armas pelos "cidadãos alemães de bem". Uma posição contrastante com a postura fortemente restritiva quanto às armas de fogo do governo alemão anterior, a democrática República de Weimar.

Se as leis nazistas forem comparadas com as leis de Weimar, ficará evidente que os nazistas foram extremamente liberais com as armas, enquanto o regime democrático foi muito restritivo.

Qual foi, então, a política nazista para as armas de fogo? A de que elas deveriam ser consideradas um direito dos "cidadãos alemães, ordeiros e cumpridores da lei". Já os "bandidos comunistas e os capitalistas judeus" não poderiam ter armas. Então, ironicamente, a posição de Hitler quanto às armas de fogo era, na verdade, muito mais próxima daquela sustentada hoje pelo lobby das armas.

A tese manipulatória de que "o controle de armas conduz à tirania" está integralmente exposta num livrinho chamado Gun Control: Gateway to Tirany, editado por uma ONG americana chamada Jews for Preservation of Firearms Ownership - JPFO (http://www.jpfo.org), uma organização de fanáticos de extrema direita que se apresenta como "a mais agressiva defensora da propriedade de armas da América". Um grupo que nada tem a ver com a opinião majoritária dos judeus norte-americanos (ver American Jewish Congress em:http://www.ajcongress.org/ptchoice.htm) e que se dedica a distribuir cartilhas entre as crianças para "ensinar" que a ONU é uma instituição perigosa que pretende acabar com a liberdade nos EUA, que os governantes japoneses são pessoas más que impedem o seu povo de ter armas e que armas de fogo podem ser usadas por crianças de maneira "segura e divertida" (sic).

Ah, eu ia esquecendo: há outros e-mails circulando por aí nos quais se afirma que os crimes violentos na Inglaterra, no Canadá e na Austrália - países onde as armas de mão (revólveres e pistolas) foram praticamente banidas ou receberam fortes restrições - aumentaram após a aprovação das medidas de controle.

Os dados oficiais disponíveis, entretanto, revelam exatamente o contrário. As taxas gerais de criminalidade - especialmente homicídios e crimes violentos - caem nessas três nações, consistentemente.

O mesmo ocorre na nação que mais fortemente combateu as armas de fogo em todo o mundo: o Japão.

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget